Lembro de ter ido assistir ao filme Amor sem Escalas (2009) com alguns amigos, todos homens.

Aí você olha e acha estranho. “Pô, um bando de marmanjo vendo um filme do George Clooney e não é da franquia “Vários homens e uma porrada de segredos”, isso é esquisito”.

Hoje em dia já pulamos essas frescuras, mas se vale como explicação, tenho um grupo de amigos que gosta bastante de discutir qualquer coisa, logo, o material vale para reflexão e, acreditem, esse não foi o filme mais bizarro para assistir fora do “sistema de casais”. Atualmente, devo confessar que a pressa da cidade e a diversidade de interesses têm mantido o referido grupo um pouco distante, mas o que vale é a experiência do filme em questão.

Terminadas as explicações que farão os leitores duvidarem da minha segurança quanto à sexualidade, vamos à pequena reflexão: a não-vida! Que se encontra a seguir (o que, no mundo dos blogs, significa acima e não abaixo…).

Anúncios