E nessa sociedade que passa muito tempo em frente a tela, meus dedos começam a ser mais expressivos que minha própria face… e meus textos, por vezes, mais curtos

 

 

(e sem pontuação final – uma eterna lacuna aberta nas ideias que não se fecham)

Anúncios